31/10/2014

Fagulha Cósmica

Ela é, muitas e muitas vezes  criada em casa, nas famílias ,na forma de ver o mundo  e de educar nossos filhos,principalmente no quesito afeto.

A  questão da forma, ainda esta em nosso tempo soterrada e perversamente agrilhoada a pesos , medidas, quantificação e posse. Eis ai, um dos nascedouros da corrupção.

Não vejo anjos nem demônios se o voto for dado  pelo questão  da corrupção ficaremos sem opção , sem partido sem régua, pois está praga não tem lado nem partido.   

Apesar de concordarmos que a corrupção não deveria existir ele se dá colada ao ato humano , para agirmos desconsiderando a mesma, teríamos que ter um partido sem pessoas, com seres não tripuláveis por desejos e narcisismos.

 Somos tão infantis enquanto seres pensantes que precisamos que  leis nos contenham, e ficaremos a aplica-las sem tréguas para que possamos nos manter como seres gregários.

Um sistema politico que tem que comprar votos para aprovar projetos fundametaliza o fracasso dele mesmo.

Um sistema politico que não regulamenta gastos e limites de doação a campanhas faz convite ao absurdo.

Um sistema politico que valoriza a moral da estatística derretendo a da ética desmascara a mesquinhez transvestida de pudor.

Um sistema humano que da aval a uma impressa irresponsável e mentirosa está no lodo,precisa,ser filtrado e amadurecer.

Uma reforma nesse pleito se faz necessária e duvido muito que ele seja eficaz sem a participação do povo. Como disse o Contardo Calligares em uma entrevista ao Roda Viva " tivemos um avanço antes se corrompia para por dinheiro no bolso agora é para fazer um projeto ser aprovado " ou também nos dias de hoje para dar força a uma campanha.Tristes tartarugas sociais.

O voto carrega outras coisas, que na maioria das vezes nada tem a ver com escolha de projetos,muito tem haver com o narcisismo, com a insuportabilidade do olhar-se no espelho e se ver fracassado.

É, doloroso demais ficar ouvindo noticias de morte,assassinato ,roubo ,extorsão,corrupção, pedofilia,fome,miséria, assim como nos é a ideia da morte,do fim,da derrota.

Não suportamos a consciência do nosso próprio fim ,vivemos negando,negando,negando..Se nega que o filho usa drogas e nega que sua irmã fez um aborto,que o pai é alcoólatra que o irmão bate na esposa , que o chefe humilha sua competência etc,que sente inveja e medo e por ai vai.

Esta maturidade de olhar para as coisas como de fato são, esta ainda distante da nossa espécie limitada,ela vai se dando a medida que milhares de coisas acontecem.

Pequenos movimentos ,mobilizam bilhões de defesas primitivas, e assim vamos nos arrastando pela limitadíssima vastidão de nossa existência que se apoia num  tempo de fagulha cósmica.

Alba Regina Outubro de 2014


O Ser Urbano




O ser urbano sai de suas tocas, para participar de um grande aventura, a de se misturar a multidão  , como no caso das manifestações, dos shows ,viradas culturais, mostras de cinema e outras mais, encontrando por   ai entre outras coisas uma possibilidade de resgate existencial, movimentando-se na busca de contagio ,por coisas   mais sublimes como a de sair de um egocentrismo  deformador em direção a um todo estruturante.


Alba Regina/ Junho 2014

O Eu Ai



Intrigante: O grande estar ai  da modernidade significativamente pode ser verificado em uma especie de  espelho refratário propiciado pelo "clic" de maquinas fotográficas, em um  instante afetivo do eu em self.

Alba Regina 31/10/14

Sobre o poder da Conciência

Seria a Consciência o caminho mais seguro para validar nossas ações?

Se a consciência por si,surgisse da mais pura observação ,poderia ser um dos  caminho,porem bem sabemos que ela é carregada de moral , de tatuagens culturais,cicatrizes empiricas , pulsões misturadas e primitivas,então ela por si só ,não pode ser bandeira para definir algo dessa monta