08/08/2012

Dialogar


Sobre a Filosofia Clinica Dialogar ou não com as outras linhas Terapêuticas.

Estudei por sete anos Psicologia e por questões circunstanciais, tive contato direto  com a Psiquiatria, estudando e aprendendo durante 12 anos. Convivi com terapeutas do Brasil inteiro, tive uma clinica de terapia comportamental e eu mesma como paciente fiz terapia Cognitiva, Gestáltica, Psicanalítica até chegar na Filosofia Clinica. Com isso , acho que posso dizer alguma coisa enquanto paciente e como estudante e pesquisadora. Entendo que se tem uma linha que dialoga com as outras é a Filosofia Clinica, primeiro por ser honesta no sentido de dar o mérito de sua fundamentação a mãe de todas, ou seja a própria Filosofia, que por si só já é um oceano tão grande  e  recheado de conteúdos que poderíamos dela já ter múltiplas e infinitas linhas  terapêuticas.  Segundo porque profissionais de todas as áreas podem fazer o certificado B, que da a base teórica a clinica filosófica, porem para a pratica e  para o certificado A é preciso antes ter feito filosofia.     Outra,  quem estudou FILOSOFIA ,sabe como encontrar conteúdos e fundamentos. Em Aristóteles, sua lógica silogista as suas Causas, Categorias, Psicologia, ideias de Ato e Potência e Primeiro Motor .Também em sua metafísica que da a filosofia o primado da investigação causal, bem como a teoria das essências como reveladora da identidade.  Já em Descartes, tem-se o método (Verificar, analisar, Sintetizar, Enumerar). E a teoria do Cogito, dando a existência a partir do pensamento? Quem copia o que de quem? Quem deu a dica que no pensamento do homem está a validação da sua existência? Foi a FILOSOFIA, é certo! Assim como foi e é nela,  que primeiramente a FC se fundamenta. E Kant? Quando nos apresenta seu juízo estético ,  relacionado ao principio de prazer que temos em relação às coisas? Em apenas uma das suas frases celebres já podemos  ver por exemplo uma das raízes  que ira despontar em uma das teorias que ira falar em  Id e Super Ego  -"o céu estrelado por sobre mim e a lei moral dentro de mim"  - Aqui também esta redescoberta a ideia de sensibilidade e consciência, ja revirada por Platão. Há também a Critica da Razão Pura, sobre juízos e a coisa da coisa em si? E as condições de sensibilidade e de possibilidade? O Imperativo categórico, que entre outras coisas convida o sujeito a olhar para suas ações, como uma forma de legislar seus limites e os do outro. Quem mergulhar profundamente na filosofia vai descobrir estas e muitas outras  ferramentas infalíveis para criar um método e para mudar a visão de mundo construir um arsenal de novas concepções e ferramentas  para ajudar o ser humano. Para tanto, é claro , tem que ter o pó da genialidade, pois ideias sem este tempero ficam insípidas. Com Freud o pai da Psicanálise, não foi diferente, quem conhece psicanálise e filosofia sabe que este entre outros bebeu do saber em Sócrates, Aristóteles, Descartes ,Hume,Kant, mergulhou profundamente em Schopenhauer e achou seus grandes insights  em Nietz. Poderia ficar páginas e páginas fazendo ligações com outros grandes filósofos que contribuíram de forma contundente as linhas terapêuticas, mas isso fica pra outra hora.          Quem estudar filosofia e depois estudar qualquer uma das linhas terapêuticas modernas , não mais cometerá o engano de pensar que tudo começou com essa ou aquela linha terapêutica . Contudo , só posso dizer que a Filosofia Clinica é puro dialogo e está muito mais aberta do que imaginamos. Para tanto se faz necessário, ampliar o olhar e desperta-lo das paixões cegas . Basta abrir os olhos, para  ver no núcleo de estudos e formação de Filosofia clinica , médicos, psiquiatras, enfermeiros, professores, biólogos, teólogos, matemáticos,psicólogos,pedagogos ,terapeutas e muito mais, isso por si  mesmo já  é a prova mais clara e eficiente de que o dialogo entre a Filosofia Clinica e as outras linhas acontece, seu  método aplaca inúmeras possibilidades.


Alba Regina Bonotto

3 comentários:

  1. Gostei da reflexão Alba Regina Bonotto.
    Exatamente o que penso! A Filosofia Clínica é uma área terapêutica nascida da Filosofia. Freud, Lacam e muitos outros usaram como base o conhecimento filosófico para fundamentarem suas idéias, assim como o idealizador da FC o fez. Contudo a Filosofia na sua etimologia nos lembra que ela é amiga da sabedoria. E a sabedoria não se fecha somente nos filósofos. Tanto isto é verdade, que você cita o exemplo de médicos, biólogos, teólogos e afins, que procuram conhecer mais esta modalidade terapêutica. Sendo amiga da sabedoria a Filosofia também reconhece o seu caráter transdisciplinar e compreende o pensamento, a reflexão,e a prática terapêutica como uma construção não começada nos anos 80, mas sendo fruto de um processo histórico assimilado e fundamentado na década de 80. Este processo de assimilação e criação só aconteceu porque houve na história pensadores que da Filosofia fizeram uso e antes de nós sistematizaram este conhecimento visando o cuidado do ser humano. Assim era para Jung, Freud e Lacam... Mas o que era assim para eles serviu de base para a prática da estrutura terapêutica usada hoje pelos filósofos. Na história da humanidade e dos pensadores o que acontece é processo ciclico de construção e não de corte com o processo iniciado antes de nós.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por provocar o questionamento amigo, isso me da forças e me faz rever la nas bases o fundamento de cada escolha .

    ResponderExcluir
  3. Fico pensando o quão fascinante deve ser o seu trabalho...Lindo dia pra vc

    ResponderExcluir