29/05/2012

O Mundo é Minha Representação


RESENHA COMENTADA 
“ O Mundo Como Vontade e Representação”- Schopenhauer-



A hipótese de que o mundo é a ideia que cada um faz dele,  estanque surge das concepções de Schopenhauer, partindo da formação interna do pensamento, inaugura uma nova proposta para analisar como as ideias se dão.
Para entender as construções mentais o filosofo propõe ser a consciência a superfície da mente ou aquilo que podemos conhecer da mesma. Sobre o consciente e o inconsciente está a vontade que comanda e determina todos as construções mentais. Esta vontade mobiliza o homem, determina seus movimentos suas buscas seus prazeres, ela é o desejo de vida, é cega irracional e tem um fim único: ela mesma. A vontade de vida é a força motriz da existência humana enquanto espécie, nossa mente não passa de um mero instrumento para seus propósitos, manifestos em nossos desejos. A ironia, que denuncia a consciência limitada aos caprichos da vontade, leva Schopenhauer a definir o homem como um animal metafísico, enquanto os outros animais vivem seus desejos sem os limites das ideias e dos conceitos.
Para Schopenhauer quanto mais o homem for refinado em suas faculdades intelectuais mais sentirá dor, porque a consciência do desejo é também a consciência da falta, ou seja, a idéia da falta é mais uma vez a falta representada.
O conhecimento filosófico, enquanto experiência e pensamento, pode ir libertando a mente, para a visão das essências ou das idéias mais claras. O gênio é aquele que na imparcialidade livre dos comandos da vontade consegue ter a visão do universal , do que é claro e essencial. Mas será mesmo valida uma existência intelectual sem desejo sem paixão? Será ele Schopenhauer um domador de sua própria decepção e esta, em si não seria sua própria paixão? Uma frustração que move sua mente para procriar ideias é diferente em essência da paixão que move o homem a procriar outros iguais? Um homem diante de suas impossibilidades para se relacionar e procriar não estaria também criando através do desenvolvimento focado do intelecto, um caminho para cumprir aquilo que ele mesmo (Schopenhauer) denominou como vontade de viver?

11/05/2012

O Pensamento em 3D


 Ao  ligar conceito de fé  somente a religião, o limitamos a uma margem de grandes equívocos e perdemos  mais uma oportunidade de auto conhecimento.  Sem poder desvincular a coisa da fé com a coisa da religião o transito sobre a riqueza desta competência humana fica limitada.

É interessante, fazer uma pesquisa por dicionários e constatar que os  mais antigos como o Aurélio, tem uma definição de fé ultrapassada e bem comprometida com a coisa da religião e da crença em Deus ou do misticismo e adulação do fantástico. São definições cartesianas e equívocos montados  nas bases da escolástica medieval.   Já dicionários mais modernos, nos dão folga e espaço, para existir ante ao conceito e permitir que ele seja singular a nossa forma de pensar e ser.

Acredito  ser impossível ao ser humano, uma existência desprovida de fé, ela é constitucional,serve como uma espécie  de estrutura temporária para alguns movimentos e também para uma certa calmaria curativa.   A fé tem , para algumas pessoas o efeito de tamponar parcialmente algumas fendas e lacunas, para que a atenção possa ser redirecionada  á eventos e situações de uma forma mais fluida,  mais útil a existência.   Isso significa dizer que quando percebemos um defeito , ou uma falha em nossa face diante do espelho, temos a tendência a ficar só olhando pra ela, porque a mente parece nos direcionar sistematicamente para que providenciemos seu  concerto, algo como colocar uma lona na casa destelhada em noites de temporal. A fé as vezes aparece como solução preventiva em um  movimento interno pró vida.

 Ficar atolado nas fenda das duvidas, pode ser muitas vezes fatal.  Fazemos investimentos  de toda natureza baseados em fé, são emocionais, afetivos, libidinais, financeiros  e muito mais.   As vezes você calcula e tenta medir os riscos, as probabilidades mas o movimento final  continua sendo um ato de fé , daí  fica fácil cair nas fórmulas prontas, nas receitas clericais, no misticismo.  A  fé conforme o dicionário  moderno exemplifica, é a condição mínima para o movimento intelectivo e físico em direção a vida , as descobertas e as realizações.

Vivemos em um mundo  dentro de nós mesmos, que é tão ou mais misterioso do que o mundo fora de nós e isto em muitos momentos provoca sensação de vazio e de falta de direção, a fé surge para nos dizer  “cuide bem de seus filhos que nada de mal ira lhes acontecer;  termine sua faculdade que seu futuro será promissor;  invista emocionalmente nesta relação; pode sair de casa, com seu carro que você vai chegar e por ai vai ” .Ha algo dentro de nós que nos conduz, a Filosofia Clinica chama isso de Estrutura Do Pensamento,esta abarca  competências  humanas que fazem composições diversas e revelam-se na singularidade do sujeito.
.
Tem também a coisa da boa fé, de dar fé, de agir de má fé, esses termos usados comumente pelo judiciário, nos dão uma visão de que as relações de fé permeiam o mundo e acredito que ele seria impraticável sem ela. Como um diretor vai administrar sua empresa se não confiar nos seus funcionários?Como um esposa vai ficar longe do seu marido se ambos não confiarem um no outro?

Nem mesmo as ciências atuariais conseguem construir certezas, tudo é probabilidade, amostra e aproximação. As vezes podemos direcionar a nossa vida baseados em experiências ruins, com resultados que acabam se definindo como a única possibilidade e nos equivocamos ao nos fechar para a revive-las e reinventa-las,  por que nossos arquivos e amostragens existências, tem por base de aproximação, algum tipo de declínio.

A espécie humana é de fato tendenciosa e prolifera-se culturalmente na cegueira da massa,sobre  o achismo , faz deste um recurso de auto conhecimento.   Não coordenamos o pensamento em 3D, apesar de pensarmos em varias dimensões, como as do real, do  bio-sensorial e do emocional. Na maioria das vezes somos comandados por um ou dois destes prismas, e por vários motivos acabamos por banalizar a competência dos demais, o que nos remete a bases de botes salva- vidas, no oceano das incertezas.  

 Acredito que quanto mais formos capazes, de abarcar em nossos movimentos a conjunção de todas essas dimensões do existir e do pensar, mais chegamos ao que muitos chamam de transcendência, confesso que não gosto muito desta palavra prefiro dizer que ascendemos sobre nossa  mais plena potência.   

Há muitos pontos cegos, o que nos impele a um movimento por aproximação, porém não há muitas certeza   e esta poucas vezes irá surgir, nem nas ciências mais exatas, nem nas relações, nem no cosmos , não são as certezas que movem  a humanidade e nossos corações .Sobre as duvidas é a fé que nos faz buscar as respostas. Eu dou Fé a fé e você?.






Recomendo a ler  definição de fé em : http://pt.wikipedia.org/wiki/F%C3%A9