21/11/2012

Caminho



Um caminho para cada lugar
Tinha cheiro de grama
Gosto de festa  de riso
Brilho sol no olhar
Tinha gente vestida de gente
Que era gente
Tinha canto pintado de dança
Tinha gente saindo das pedras
Tinha pedras  aquecidas e liquidas
Tinha vida de todo lugar
Tinha beijo e doce na boca
Tinha trem e passeio no ar
Tinha ponte pra gente passar
Tinha sábios pra todo lugar
Um caminho no peito que
Inflou feito balão em noites felizes de São João
De todos  e de trilhas que levam ao mar
Tinha gente aprendendo a voar
e pássaros aterrizando no ar.
A circunstancia era o caminho
a Filosofia o lugar
E o tempo se fez tão suave e desapercebido
avisou - Ja é hora de voltar!

31/10/2012

Temperamentos do Tempo




Outubro inicia com mudança de direção dos ventos, usa o calor pra se fazer anunciar.

Algumas pessoas são mais sensoriais que outras e como os ventos mudam a direção com seus afetos, não sem antes superaquecer para depois vaporizar suas resistências.

Nunca ninguém tentou medicar o tempo, será que não perceberam ainda que ele é quadripolar?
Há Sim, o tempo pode! Esta aquém a qualquer tipologia.
.
Na verdade, o tempo está aquém do nosso controle, inspirou e ainda inspira muitas reflexões filosóficas. 

A espécie humana não aceita as infinitas variações de personalidades em sua natureza, algumas delas são consideradas patológicas e por isso sujeitas a todo tipo de intervenção.

Mas o tempo, não da para controlar, dá? 

Com a onda de comportamento sustentável, com expansão da Eco Visão, constata-se que a concentração da manipulação humana junto à natureza, já causou seus estragos e dia a dia nos coloca mais e mais refém dos humores extremos da natureza. 

 Muito já se fez, como aproveitar o fluxo dos rios para fazer barragens, para então  gerar energia, e o mesmo se faz com cataventos que ficam ali a disposição dos humores do vento, e quanto mais violento estiver melhor.

Às vezes penso que instintualmente, nossa espécie escolhe fugir de seus instintos, como uma doença autoimune, ataca e tenta barrar sua própria natureza,seja por vias de leis morais, por concepções éticas ,seja por não suportar a consciência  fenomênica de sua impotência no fluxo das coisas.

Quando Freud segue as concepções de Schopenhauer e mergulha a fundo e traz a guisa de entendimento o que chamará de mecanismos inconscientes,  nos dá também, uma noção mais precisa daquilo que não temos acesso pela qual só recebemos notícias ,por sonhos atos falhos e Chistes, seriam conteúdos bloqueados, que poucos hackers emocionais teriam acesso e a maioria destes, se perde na volta ou fica apenas na margem ou na sala de espera.

A natureza parece ser tão absolutista que nos vetou este portal e o preço por romper este veto, é perda de contanto, é a mudança de vizinhança de tal ponto que neste abismo você só se avizinharia aos vários desdobramentos do seu próprio eu nu, profano a senso comum e inviável para a cultura de massas. Mas sem duvida sempre uma denuncia ,um alerta que existe este portal e diante de algumas catástrofes internas pode ser o único lugar seguro a se refugiar.

08/08/2012

Dialogar


Sobre a Filosofia Clinica Dialogar ou não com as outras linhas Terapêuticas.

Estudei por sete anos Psicologia e por questões circunstanciais, tive contato direto  com a Psiquiatria, estudando e aprendendo durante 12 anos. Convivi com terapeutas do Brasil inteiro, tive uma clinica de terapia comportamental e eu mesma como paciente fiz terapia Cognitiva, Gestáltica, Psicanalítica até chegar na Filosofia Clinica. Com isso , acho que posso dizer alguma coisa enquanto paciente e como estudante e pesquisadora. Entendo que se tem uma linha que dialoga com as outras é a Filosofia Clinica, primeiro por ser honesta no sentido de dar o mérito de sua fundamentação a mãe de todas, ou seja a própria Filosofia, que por si só já é um oceano tão grande  e  recheado de conteúdos que poderíamos dela já ter múltiplas e infinitas linhas  terapêuticas.  Segundo porque profissionais de todas as áreas podem fazer o certificado B, que da a base teórica a clinica filosófica, porem para a pratica e  para o certificado A é preciso antes ter feito filosofia.     Outra,  quem estudou FILOSOFIA ,sabe como encontrar conteúdos e fundamentos. Em Aristóteles, sua lógica silogista as suas Causas, Categorias, Psicologia, ideias de Ato e Potência e Primeiro Motor .Também em sua metafísica que da a filosofia o primado da investigação causal, bem como a teoria das essências como reveladora da identidade.  Já em Descartes, tem-se o método (Verificar, analisar, Sintetizar, Enumerar). E a teoria do Cogito, dando a existência a partir do pensamento? Quem copia o que de quem? Quem deu a dica que no pensamento do homem está a validação da sua existência? Foi a FILOSOFIA, é certo! Assim como foi e é nela,  que primeiramente a FC se fundamenta. E Kant? Quando nos apresenta seu juízo estético ,  relacionado ao principio de prazer que temos em relação às coisas? Em apenas uma das suas frases celebres já podemos  ver por exemplo uma das raízes  que ira despontar em uma das teorias que ira falar em  Id e Super Ego  -"o céu estrelado por sobre mim e a lei moral dentro de mim"  - Aqui também esta redescoberta a ideia de sensibilidade e consciência, ja revirada por Platão. Há também a Critica da Razão Pura, sobre juízos e a coisa da coisa em si? E as condições de sensibilidade e de possibilidade? O Imperativo categórico, que entre outras coisas convida o sujeito a olhar para suas ações, como uma forma de legislar seus limites e os do outro. Quem mergulhar profundamente na filosofia vai descobrir estas e muitas outras  ferramentas infalíveis para criar um método e para mudar a visão de mundo construir um arsenal de novas concepções e ferramentas  para ajudar o ser humano. Para tanto, é claro , tem que ter o pó da genialidade, pois ideias sem este tempero ficam insípidas. Com Freud o pai da Psicanálise, não foi diferente, quem conhece psicanálise e filosofia sabe que este entre outros bebeu do saber em Sócrates, Aristóteles, Descartes ,Hume,Kant, mergulhou profundamente em Schopenhauer e achou seus grandes insights  em Nietz. Poderia ficar páginas e páginas fazendo ligações com outros grandes filósofos que contribuíram de forma contundente as linhas terapêuticas, mas isso fica pra outra hora.          Quem estudar filosofia e depois estudar qualquer uma das linhas terapêuticas modernas , não mais cometerá o engano de pensar que tudo começou com essa ou aquela linha terapêutica . Contudo , só posso dizer que a Filosofia Clinica é puro dialogo e está muito mais aberta do que imaginamos. Para tanto se faz necessário, ampliar o olhar e desperta-lo das paixões cegas . Basta abrir os olhos, para  ver no núcleo de estudos e formação de Filosofia clinica , médicos, psiquiatras, enfermeiros, professores, biólogos, teólogos, matemáticos,psicólogos,pedagogos ,terapeutas e muito mais, isso por si  mesmo já  é a prova mais clara e eficiente de que o dialogo entre a Filosofia Clinica e as outras linhas acontece, seu  método aplaca inúmeras possibilidades.


Alba Regina Bonotto

03/08/2012

SENTADA NA LUA



As vezes pego carona na ventania , rumo ao  espaço sideral. Quando me esqueço de levar um casaquinho é porque em minhas ideias partiram antes do vento. É inevitável que em algum momento, sinta frio . Este tipo de viagem sempre surge de repente, é quase impossível estar preparada . O caso é, que  defesas muito arcaicas, perseguem  meus movimentos , sendo assim , uso o mecanismo de evitação para dar o salto cósmico.

Parto  rumo as estrelas, mas é a lua que que traciona e me da direção. Algo assim só acontece quando não estou suportando o mundo  comum das ilusões primarias, ou quando consigo transcender meus próprios limites.

Devo avisar de antemão, as crianças e pessoas desprovidas de um treinamento prévio, para que não tentem fazer isso quando se sentem  vazias, sem se saberem estruturadas, pode ser muito doloroso e em alguns casos, pode levar a desconexão completa da muralha existencial , também da quilo que se chamada realidade .

A parte da viagem mais agradável  é a parceria com o vento. Despudorado e sem rodeio me faz girar,girar e girar,provocando sensações  tão boas e estranhas, que mesmo sentido vertigens sua leveza é um néctar a toda densidade deste mundo e sem duvida é isso que  vai  nos preparar para o que vem a seguir. Hoje sei, que é impossível encontrar a estabilidade de uma VISÃO, sem ter enjoos que a antecedem.

Não posso  fingir que ao me entregar ao vento não tenha um propósito,por isso  preciso confessar minha ambição e o desejo de sentar na lua.  Desejo recriar em minha mente a visão de mundo ,multiplica-la, transcende-la,  é quase um obsessão.

 Cientista conjecturam que a humanidade  vive e cabe dentro de uma esfera tão pequenina que comparada com o universo não é maior que um uma bolinha Golf, alguns até brincam dizendo que extra terrestres a estariam jogando entre mundos e que os  buracos negros seriam pequenas caçapas . Ideias que parecem absurdas,  como se fossem evacuações sensoriais em busca de  conforto emocional, diante do indizível, do incalculável e o inapreensível . As chamo de  teorias das bengalas , rochas  airadas por  argumentos e hipóteses. Amparo? A que se inventar algo que distraia mente da certeza do ínfimo e aterrorizante devir, a morte.

Nestas horas sou mais obstinada e fico na esquina dos ventos , quando um bem forte chega não posso resistir, abro instantaneamente meus braço e jogo minha existência inteira soltando todas as defesas, para então voar.

Assim sendo, cá estou sentada na lua , lamento estar com um vestidinho tão curto ,ele é todo esvoaçante, se tivesse algum observador certamente ficaria fascinado , ou dependendo de seus princípios morais acharia um despudor.

 Não posso esquecer  meu proposito aqui, mas é bom  que saibam que na lua não  há sentido algum para moralismos,muito menos distorção da naturalidade. O fato da ausência de gravidade  expor a nudez, não o  jogará  a toca de lobos famintos e nem ao julgo de leoas decadentes ou do tolo beatismo. Não há como ser abduzido pelos clamores carnais e nem soterrado por torturas morais.Na Lua não há sentido para o constrangimento, vergonha ,culpa ou inveja.

A chegada é apoteótica e só agora voltei a respirar. Preciso registrar tudo , para que os olhos mais cobiçadores da terra possam ter noticias, e isso é o máximo  que a maioria terá permissão de receber,pois ainda são poucos os que sabem  e podem pegar carona com o vento .

 O espanto é inevitável, ao olhar para terra, da pra ver que a  dita singularidade humana desaparece,o olhos nos mostra  que tudo é uma coisa só, uma grande e magnifica bola azul, que gira em torno do sol, com algumas manchas estranhas, indecifráveis , como o são os oceanos, quando estamos próximos ou dentro deles. Pasmem, oceanos continuam sendo oceanos aqui da lua nem a distância nem o nível os modifica , apenas a nossa capacidade de ver exatamente , o lugar que ocupam ,é o significado sobreo todo   que muda.

Pergunto-me então: - Existe algum sistema político que faça diferença?  O que vejo?  Niente, nadica de nada!  - Existe alguém realmente especial?  Nada!   - Acaso há , algum poder que ecoe nesta visão compacta de um sistema único? Não, nada ,nada e nada! Todos são responsáveis! O tudo é todos.

Agora o frio começou a pegar, lembro que ainda sou humana, preciso de aquecimento para evitar a morte. Esta visões são tão fortes que quase da pra sentir  um “caldeirão gelado”  sobre as ideias pré concebidas .

Brinco com a gravidade. Nossa!!  A cada passo um salto? Que delicia andar nesta lua. Chego mais rápido aonde quero. Dera muitos mais pudessem pegar carona com o vento. Lamento que ainda em muitas pessoas só grandes tsunames existências possam as carregar as pessoas.O mundo que se move por eclosões não precisa ser um padrão humano .

 Hora de cantar : " ..a paz ,invadiu o meu coração, fez o mar da revolução , a paz... eu pensei em mim eu pensei em ti eu chorei por nós.."

Talvez os astros possam aquecer meus pensamentos. Sim, eles podem sem duvida,  estão aqui bem pertinho posso ver um a um, basta que gire novamente, quem sabe em sentido anti horário? Hum ...pronto! - Minha mente já está visualizando arcanos maiores, vou pegar um ,peguei! peguei!!  é o Eremita . Ai ai ai, assim não dá!!

Agora só me resta sentar na lua e aguardar a nova vizinhança , não consigo voltar  daqui não,o vento fez a curva e foi embora e as tempestades elétricas, não querem me dar carona.

29/05/2012

O Mundo é Minha Representação


RESENHA COMENTADA 
“ O Mundo Como Vontade e Representação”- Schopenhauer-



A hipótese de que o mundo é a ideia que cada um faz dele,  estanque surge das concepções de Schopenhauer, partindo da formação interna do pensamento, inaugura uma nova proposta para analisar como as ideias se dão.
Para entender as construções mentais o filosofo propõe ser a consciência a superfície da mente ou aquilo que podemos conhecer da mesma. Sobre o consciente e o inconsciente está a vontade que comanda e determina todos as construções mentais. Esta vontade mobiliza o homem, determina seus movimentos suas buscas seus prazeres, ela é o desejo de vida, é cega irracional e tem um fim único: ela mesma. A vontade de vida é a força motriz da existência humana enquanto espécie, nossa mente não passa de um mero instrumento para seus propósitos, manifestos em nossos desejos. A ironia, que denuncia a consciência limitada aos caprichos da vontade, leva Schopenhauer a definir o homem como um animal metafísico, enquanto os outros animais vivem seus desejos sem os limites das ideias e dos conceitos.
Para Schopenhauer quanto mais o homem for refinado em suas faculdades intelectuais mais sentirá dor, porque a consciência do desejo é também a consciência da falta, ou seja, a idéia da falta é mais uma vez a falta representada.
O conhecimento filosófico, enquanto experiência e pensamento, pode ir libertando a mente, para a visão das essências ou das idéias mais claras. O gênio é aquele que na imparcialidade livre dos comandos da vontade consegue ter a visão do universal , do que é claro e essencial. Mas será mesmo valida uma existência intelectual sem desejo sem paixão? Será ele Schopenhauer um domador de sua própria decepção e esta, em si não seria sua própria paixão? Uma frustração que move sua mente para procriar ideias é diferente em essência da paixão que move o homem a procriar outros iguais? Um homem diante de suas impossibilidades para se relacionar e procriar não estaria também criando através do desenvolvimento focado do intelecto, um caminho para cumprir aquilo que ele mesmo (Schopenhauer) denominou como vontade de viver?

11/05/2012

O Pensamento em 3D


 Ao  ligar conceito de fé  somente a religião, o limitamos a uma margem de grandes equívocos e perdemos  mais uma oportunidade de auto conhecimento.  Sem poder desvincular a coisa da fé com a coisa da religião o transito sobre a riqueza desta competência humana fica limitada.

É interessante, fazer uma pesquisa por dicionários e constatar que os  mais antigos como o Aurélio, tem uma definição de fé ultrapassada e bem comprometida com a coisa da religião e da crença em Deus ou do misticismo e adulação do fantástico. São definições cartesianas e equívocos montados  nas bases da escolástica medieval.   Já dicionários mais modernos, nos dão folga e espaço, para existir ante ao conceito e permitir que ele seja singular a nossa forma de pensar e ser.

Acredito  ser impossível ao ser humano, uma existência desprovida de fé, ela é constitucional,serve como uma espécie  de estrutura temporária para alguns movimentos e também para uma certa calmaria curativa.   A fé tem , para algumas pessoas o efeito de tamponar parcialmente algumas fendas e lacunas, para que a atenção possa ser redirecionada  á eventos e situações de uma forma mais fluida,  mais útil a existência.   Isso significa dizer que quando percebemos um defeito , ou uma falha em nossa face diante do espelho, temos a tendência a ficar só olhando pra ela, porque a mente parece nos direcionar sistematicamente para que providenciemos seu  concerto, algo como colocar uma lona na casa destelhada em noites de temporal. A fé as vezes aparece como solução preventiva em um  movimento interno pró vida.

 Ficar atolado nas fenda das duvidas, pode ser muitas vezes fatal.  Fazemos investimentos  de toda natureza baseados em fé, são emocionais, afetivos, libidinais, financeiros  e muito mais.   As vezes você calcula e tenta medir os riscos, as probabilidades mas o movimento final  continua sendo um ato de fé , daí  fica fácil cair nas fórmulas prontas, nas receitas clericais, no misticismo.  A  fé conforme o dicionário  moderno exemplifica, é a condição mínima para o movimento intelectivo e físico em direção a vida , as descobertas e as realizações.

Vivemos em um mundo  dentro de nós mesmos, que é tão ou mais misterioso do que o mundo fora de nós e isto em muitos momentos provoca sensação de vazio e de falta de direção, a fé surge para nos dizer  “cuide bem de seus filhos que nada de mal ira lhes acontecer;  termine sua faculdade que seu futuro será promissor;  invista emocionalmente nesta relação; pode sair de casa, com seu carro que você vai chegar e por ai vai ” .Ha algo dentro de nós que nos conduz, a Filosofia Clinica chama isso de Estrutura Do Pensamento,esta abarca  competências  humanas que fazem composições diversas e revelam-se na singularidade do sujeito.
.
Tem também a coisa da boa fé, de dar fé, de agir de má fé, esses termos usados comumente pelo judiciário, nos dão uma visão de que as relações de fé permeiam o mundo e acredito que ele seria impraticável sem ela. Como um diretor vai administrar sua empresa se não confiar nos seus funcionários?Como um esposa vai ficar longe do seu marido se ambos não confiarem um no outro?

Nem mesmo as ciências atuariais conseguem construir certezas, tudo é probabilidade, amostra e aproximação. As vezes podemos direcionar a nossa vida baseados em experiências ruins, com resultados que acabam se definindo como a única possibilidade e nos equivocamos ao nos fechar para a revive-las e reinventa-las,  por que nossos arquivos e amostragens existências, tem por base de aproximação, algum tipo de declínio.

A espécie humana é de fato tendenciosa e prolifera-se culturalmente na cegueira da massa,sobre  o achismo , faz deste um recurso de auto conhecimento.   Não coordenamos o pensamento em 3D, apesar de pensarmos em varias dimensões, como as do real, do  bio-sensorial e do emocional. Na maioria das vezes somos comandados por um ou dois destes prismas, e por vários motivos acabamos por banalizar a competência dos demais, o que nos remete a bases de botes salva- vidas, no oceano das incertezas.  

 Acredito que quanto mais formos capazes, de abarcar em nossos movimentos a conjunção de todas essas dimensões do existir e do pensar, mais chegamos ao que muitos chamam de transcendência, confesso que não gosto muito desta palavra prefiro dizer que ascendemos sobre nossa  mais plena potência.   

Há muitos pontos cegos, o que nos impele a um movimento por aproximação, porém não há muitas certeza   e esta poucas vezes irá surgir, nem nas ciências mais exatas, nem nas relações, nem no cosmos , não são as certezas que movem  a humanidade e nossos corações .Sobre as duvidas é a fé que nos faz buscar as respostas. Eu dou Fé a fé e você?.






Recomendo a ler  definição de fé em : http://pt.wikipedia.org/wiki/F%C3%A9

03/04/2012

O Mundo FacebookRivel


As redes sociais,  como um lugar para se estar , como estamos nos pensamentos. Um mundo mental com estímulos virtuais que mistura universos pessoais, o seu com o de outros. Essa relação de sua face virtual com seu mundo interior merece e deve nos levar a  algumas indagações. Não estaríamos exercendo aquilo que muitos filósofos chamaram de extensão?( Para o contexto “árvore” o valor de verdade não se altera com a mudança de extensão para Pessegueiro.)  Temos ou não uma nova extensão de nosso mundo individual, num sistema sócio-digital, menos sujeito as castas culturais? Será que todo esse acontecimento que iniciou no Orkut e foi aprimorado no facebook,  não está revelando algo  da nossa espécie?  Se for um modismo ,como alguns dizem, merece menos atenção filosófica?

Uma faísca é o suficiente para acender uma fogueira,  então , não há como ignorar que  a mente universal começa a se formar,mesmo que ainda seja só um faísca ,seu primeiro motor Aristotélico já  iniciou os trabalhos.  Como todos sabem ela surgiu na primeira conexão virtual , até nos dias de hoje pelas redes sociais. Este é o momento de “facebookar”,  ideia que surgiu do desejo,  de alguns garotos para encontrar um caminho mais rápido ao encontro do outro ou das garotas. É certo que as relações virtuais ainda carregam um infantilismo alegórico,o que é mais coerente com o ponto evolucionário da mente humana , que ainda é “primórdica” . Da mesma forma que a superficialidade se faz constante, há mergulhos profundos, consciência co -compartilhas e uma força partilhada . Ao descobrir que o outro está ON ,que vibra,  sente , dança e transita pelo mudo, descobre-se que as diferenças estão mais no esteticismo do conteúdo do que na intenção do clic, nessa visão ampliada da face do outro, eu descubro uma nova forma de humanidade, uma nova forma de viver no mundo , o outro é extensão minha , do meu cogito e da minha realidade, isso posto, fica claro que cada vez menos será possível ignorá-lo.


Sempre se falou do homem que se mistura a máquina, mas e essa mistura de realidades? O mundo paralelo já não é mais uma teoria, é uma realidade e nele experimentamos estar ligados e conectados uns aos outros, mesmo que rapidamente. Estamos conectando e criando interseções mente-a-mente.  Como naquela cena inesquecível do filme “AI – Inteligência Artificial” quando o ser do futuro, toca no ombro do robozinho, todos os seres  daquele novo mundo,sentem e vivem a saga, a dor o medo a determinação que fizeram aquela criatura ultrapassar a barreira do tempo, em busca da mãe amada e isso coloca toda aquela espécie  mobilizada  no propósito de recriar o mundo,  para que o menino robô, possa viver o sentido de toda existência, ou  seja, ele foi construído para amar sua mãe e amou , como amou. Estes seres do futuro, apesar de serem totalmente diferentes não ignoram a existência daquele pequeno ser mecânico e ao contrario de banalizarem a busca em função disso,  valorizam o que sente, e o fato de ser um robô  não teve a menor importância , foi o sentido da existência  e da sua busca que importou. Imagino assim a  hera da  universalidade. Por isso, cada vez mais é impossível  ignorar as diferenças, a dor da guerra o primitivismo de certas religiões . O mundo terrestre acontece a favor da vida e é por ela que seu devir acontecerá.


 A mente universal não pode e não vai aceitar a alienação da existência do outro, mesmo com distâncias impensáveis,  a mente  digital  nos está aproximando através do meu e do seu espaço virtual, é o outro que nos trás noticia dele por ele mesmo  sem intermediários,assim como está para nós, estamos para ele. Sim há muitos perigos, como sempre existiram nos lugares transitados pelo homem, cabe a nós mesmos criarmos o senso e direção a este movimento, para que  se torne um meio, um transporte, para evolução de um eu universal mais humanizado.

30/03/2012

Bem vinda seja tu,mente que pensa...


Sobre a proposta para sair do reducionismo.


Eis que entre  todos “ismos” (pessimismo,conformismos,modismos,psicologismos..) se encontra o homem. Ao que parece, todos estes lugares comuns e bem comuns, já não servem e não se sustentam. O ser humano  começa  transbordar na ordem social que criou. Somos criadores e sempre desde sempre, reféns de nossas criaturas, estas que nos impõe para o andar em sentidos antagônicos e paradoxais.

No entanto se avaliarmos com uma lupa existencial, a que se considerar alguns pontinhos de convergência. 

Derruba-se muros e se constrói barreiras. Cai um império sob dominação de outro. Dita-se uma religião e mata-se uma cultura (politeísta Grega por exemplo). Ha neste movimento um quê de sobriedade ante a inconsciência das grandes massas , que reagem automatizadas sobre qualquer verdade que as façam esquecer da dor, das diferenças, da falta de alcance a caminhos dignos a existência. Respondem às vezes hipnotizadas por certos apelos políticos, diante certos silogismos psicológicos, imantados por falácias perversas como maquinas de descontração emocional. Eis o homem, aqui no Sec. 20, refém de seus "brinquedos" refém de seus "Sistemas", refém da solidão.

Toda a construção social parece servir aos que não se alimentaram do conhecimento, dos que existem na resistência biológica, sem se incluir no mundo de discernimentos lógicos.  Então precisamente aqui surgimos nós ,minha cara amiga meu caro amigo, que neste ínfimo espaço tentamos "trepidar as paredes", e estas nos respondem em câmera lenta , porque talvez aqui sejam mais prisioneiras as opiniões e manifestações do que em espaço aberto. 

Temos que nos fundamentar, não podemos apenas dizer do mundo, temos que arrecadar validação em frases celebres,em mentes já aprovadas pelo alivio das décadas, em respostas empiristas , porém , onde está o novo? Onde esta o homem? Quando vamos ter uma antropologia que nos apresente a este ser que ressurge de si mesmo, que pariu a si mesmo no decorrer de sua própria e recente historia no mundo?

A que se exercitar o bom pensar, transcender as apostilas utilizar o discernimento atualizar nossos dados mentais religar as idéias e estruturá-las no saber (tão reconfortante ) que a revelação dos humanos através da historia podem oferecer. Então se formularmos o seguinte, “eu estou aqui e penso”. Antes eu existo para depois eu penso, nesta linha chegamos à cultura que é feita e construída historicamente no existir, este existir pode ou não incluir o exercício do discernimento. A bem da verdade, ouso inferir que tudo deságua para nós no processo de expurgar competências, até o ato pleno de existirmos em todos os recantos, que nos viabilizam como seres ai.

22/03/2012

Amor Fati

Durante a leitura de Ecce Homo, pude entender melhor o conceito de Amor Fati em Nietzsche


"Não querer nada de diferente do que é, nem no futuro, nem no passado, nem por toda a eternidade. Não só suportar o que é necessário, e menos ainda dissimulá-lo (…), mas amá-lo…"


Exatamente esse é o sentimento que a visão da realidade  traz, quando consigo sentir o outro na sua verdade, mesmo que ela não seja a mais desejada , a mais esteticamente bela, nem mesmo próxima a minha verdade. 


O simples fato de reconhecer a diferença ,as formas e as substâncias que compõe  universo singular do outro, sua força e acima de tudo sua  singularidade e fragilidade, tudo isso me faz amar o que nele posso capturar ,mesmo que meus olhos e minha mente o contestem de forma cética e neutra,não ha como escapar dessa  incrível  capacidade de transbordar vida que cada ser possui em seu intimo.


Historicidade

Através da historicidade de uma pessoa ,podemos descobrir como o seu mundo se reflete ,na forma que ela sente,pensa e vive.A Filosofia Clinica anuncia a formação da EP ou Estrutura do Pensamento.Partindo dos registros históricos , selecionados pela própria pessoa ,das experiências vividas em todos os níveis, desde os sensoriais mais diretamente percebidos pela mente até os abstratos redigidos a partir dela. A forma e a substância dos conteúdos mentais vão mobilizar o sujeito no mundo,e o peso que cada tópico do pensamento tem, ira revelar a  Autogenia , entendida como tudo aquilo que é e existe para a pessoa enquanto ai e enquanto capaz de estar e transitar pelo mundo que é seu e que esta representado a partir de si mesma.Vale lembrar que  a historicidade que ela nos apresenta , nem sempre refletem aquilo que ela é, as vezes o roteiro que ela nos entrega ,sofre influências do momento, ou mais ainda pode estar comprometido com algo que foi passado  como uma verdade ,porem não necessariamente é condizente  a ela mesma, provocando um certo estranhamento uma desconfiança auto-dirigida ,então a pessoa fica perdida entre aquilo que pensa e percebe de si ,do mundo contextualizado pela narrativa  e aquilo que seu roteiro existencial apresenta.Cabe ao Filosofo Clinico transitar com serenidade por estas possibilidades e ajudar a pessoa em seus próprios movimentos, seja porque isso pode ser uma busca ou simplesmente por que é assim que  consegue se revelar ou seja porque é assim que vai acontecendo o movimento da clinica em direção a ela .

07/03/2012

A curitibana é feminina e sabe o valor que esta qualidade tem - Viver Bem - Comportamento - Gazeta do Povo



Para a psicóloga e filósofa Alba Regina Bonotto, os dados mostram que a mulher tem consciência da sua feminilidade e gosta dela. “Questões como mercado de trabalho, bem como o fato de estar casada, solteira ou divorciada, até mesmo de ter ou não filhos, estão longe de ser um impeditivo para que as mulheres deixem de ser e se perceber como são”, diz.




A curitibana é feminina e sabe o valor que esta qualidade tem - Viver Bem - Comportamento

07/02/2012

Lei da Atração


  1. A Filosofia Clinica , tem uma visão ampla e completa sobre o tema, que chega bem longe, muito além do lugar de onde  esta lei da atração irá parar,  a FC vai  nos falar em Autogênia, que significa tudo que você é, tudo que você pensa, tudo que você faz,e a vizinhança que circunda esse lugar em que está fixado o seu ser. Vamos pensar de uma forma mais simples, vamos concordar que sim, se você pensa coisas boas, se vive coisas boas, se sente coisas boas, talvez seja, porque o universo existencial em que vive , esteja ligado a coisas boas. Já na lei da atração, a coisa muda, não é tão simples assim, se pensarmos mais, podemos ver que a energia que circunda o mundo em que vivemos muitas vezes nos perpassa estando ou não em boas vizinhanças, as flores não atraem só abelhas e beija flores, atraem formigas também, como alguns outros parasitas, que tentam nelas se fartar. Não somos flores, mas podemos ser seus vizinhos. Então como lidar com isso? Com escolhas? Com direcionamentos? Com ajustes?Com respeito a tudo que você foi,é, e deseja ser?Talvez nestas respostas possamos sobrepor a tal lei da atração e situarmos nossa existência no todo e no melhor que podemos ser, tornando a vida mais suave. Assim em momentos de tempestades, o abrigo que nos tornamos para nós mesmo, poderá nos manter intactos. Se conceber o pensamento separado do movimento de sua existência corre o risco de  cair pelo ralo ,como muita água boa corre.

20/01/2012


Convido a todos para mergulharmos neste grande filme:


MELANCHOLIA Um planeta ou uma condição Humana? O que acontece quando a rota leva até você? Qual a condição humana diante de sua própria natureza? Onde esta o continente de suas emoções? Aquele que faz nossa vida mais suave? Nossas cavernas são mágicas? Existe abrigo de fato alem daquele que ampara suas fragilidades, aflições e emoções? Onde esta a sua competência PARA aplacar a angustia do outro?Estas e muitas outras questões ficam ecoando na mente quando diante desta obra prima de Lars Von Trier. Na medida para nos levar ao apocalipse com as irmãs Justine (Kirsten Dunst) e Claire (Charlotte Gainsbourg), com a lentidão melancólica que convém ao expurgo dos personagens e nos toca pela compaixão do amor que une e cria recursos de tolerância, nessa força plena o filme nos envolve numa viagem profunda ao apocalipse, ao que tem valor, a fragilidade da existência, a significação da morte e da vida.

06/01/2012

Ha dias onde a noite não cabe por que é solar, a visão mais ampla mais plena reflete a vida no olhar e na competencia existêncial do outro tão novo mas tão intimo que nos faz pensar em como o movimento de ir revela de nós..