09/11/2011

Do Filme “ Giordano Bruno”



           Fica bem claro no filme “Giordano Bruno”,uma similaridade com o filme -Em Nome Da Rosa-.Quando o personagem que acusa Giordano diz: - “Imagine todos começarem a pensar a raciocinar o que irá acontecer?”-  Como no personagem do outro filme que diz que o riso pode tirar as pessoas do caminho dogmático.
          Giordano Bruno está um passo seguinte ao da problemática do filme “ Em Nome Da Rosa”, La o conhecimento a descoberta do conteúdo do saber poderia acabar com o temor a Igreja, Com  Bruno a descoberta já havia acontecido e o resultado era o discernimento, o pensar e o agir em coerência a este pensar já acontecia nas universidades, e o clero sentia seu poder ameaçado.
          Giordano Bruno, entendia que o caminho da ação racional,era o verdadeiro caminho para entender  Deus e a natureza para ele Deus estava em tudo que existia, por isso a natureza revelava Deus,e é  na razão que o homem pode criar sua relação com Deus e com a Natureza, caminho de livre arbítrio.A natureza tinha sua justiça e como sendo a manifestação de Deus, poderia nos ensinar os princípios primeiros.Estas noções de justiças denunciavam o quão injusta eram os desmandos do Clero, que visava a manutenção da riqueza e do poder e agia em nome de Deus sem observar que tudo ao redor girava em prol á vida.
         A fé deveria seguir este mesmo principio tão claro na natureza,então como explicar tamanho sobrepujo e dominação da igreja, onde estaria a coerência? Como dizer que a natureza não é manifestação divina se dela tudo se provem? Giordano Bruno em sua coerência não fugia da visão dos disparates ao seu redor e isto feriu diretamente o coração do Clero e isto custou sua vida.
         Se levarmos em Consideração que para Platão Deus era perfeito e superior, para Aristóteles talvez fosse o primeiro motor, Para Agostinho era o criador e estava acima das banalidades e das imperfeições do Mundo, constituía-se nas missivas de Giordano Bruno uma convicção que colocaria Deus em todos os Lugares e coisas existentes, tudo é Deus, assim também este poderia estar sujeito as imperfeições do juízo punitivo e adestrador da Igreja Medieval, se isso se provasse ficaria evidente que a igreja estaria posicionada acima de Deus.
         Um Deus perfeito não poderia estar numa pedra dura , disforme ,áspera e fria,numa mula fraca e cansada, em um ser humano deformado ou pecador cheio de apelos sensoriais, esta questão abre uma ferida nas praticas do Clero,o que Giordano Bruno Toca com suas ideias,denuncia a onipotência  das instituições políticas,todas elas.      

Nenhum comentário:

Postar um comentário