09/11/2011

Do Filme “ Giordano Bruno”



           Fica bem claro no filme “Giordano Bruno”,uma similaridade com o filme -Em Nome Da Rosa-.Quando o personagem que acusa Giordano diz: - “Imagine todos começarem a pensar a raciocinar o que irá acontecer?”-  Como no personagem do outro filme que diz que o riso pode tirar as pessoas do caminho dogmático.
          Giordano Bruno está um passo seguinte ao da problemática do filme “ Em Nome Da Rosa”, La o conhecimento a descoberta do conteúdo do saber poderia acabar com o temor a Igreja, Com  Bruno a descoberta já havia acontecido e o resultado era o discernimento, o pensar e o agir em coerência a este pensar já acontecia nas universidades, e o clero sentia seu poder ameaçado.
          Giordano Bruno, entendia que o caminho da ação racional,era o verdadeiro caminho para entender  Deus e a natureza para ele Deus estava em tudo que existia, por isso a natureza revelava Deus,e é  na razão que o homem pode criar sua relação com Deus e com a Natureza, caminho de livre arbítrio.A natureza tinha sua justiça e como sendo a manifestação de Deus, poderia nos ensinar os princípios primeiros.Estas noções de justiças denunciavam o quão injusta eram os desmandos do Clero, que visava a manutenção da riqueza e do poder e agia em nome de Deus sem observar que tudo ao redor girava em prol á vida.
         A fé deveria seguir este mesmo principio tão claro na natureza,então como explicar tamanho sobrepujo e dominação da igreja, onde estaria a coerência? Como dizer que a natureza não é manifestação divina se dela tudo se provem? Giordano Bruno em sua coerência não fugia da visão dos disparates ao seu redor e isto feriu diretamente o coração do Clero e isto custou sua vida.
         Se levarmos em Consideração que para Platão Deus era perfeito e superior, para Aristóteles talvez fosse o primeiro motor, Para Agostinho era o criador e estava acima das banalidades e das imperfeições do Mundo, constituía-se nas missivas de Giordano Bruno uma convicção que colocaria Deus em todos os Lugares e coisas existentes, tudo é Deus, assim também este poderia estar sujeito as imperfeições do juízo punitivo e adestrador da Igreja Medieval, se isso se provasse ficaria evidente que a igreja estaria posicionada acima de Deus.
         Um Deus perfeito não poderia estar numa pedra dura , disforme ,áspera e fria,numa mula fraca e cansada, em um ser humano deformado ou pecador cheio de apelos sensoriais, esta questão abre uma ferida nas praticas do Clero,o que Giordano Bruno Toca com suas ideias,denuncia a onipotência  das instituições políticas,todas elas.      

13/10/2011

O lastimável Ser Humano


Tenho uma necessidade bem humana de crescer ,evoluir e estar ligada ao todo,sigo buscando conhecimento ,aperfeiçoamento e evolução. Faço  exercício para policiar meus limites e respeitar a todos até que possam se mostrar,sem julgar e muito menos sentenciar, é um caminho trabalhoso e exige dedicação.
Ontem no final da tarde, estava um pouco envergonhada , não sabia porque sentia aquilo , estava assim mas  não era por mim, era por algumas pessoas (poucas felizmente,) que acabo tendo que conviver devido as minhas buscas.  Criaturas que a principio parecem politicamente corretas , pais e mães de familia, religiosas , espiritas, pessoas que vivem falando da beleza do amor trancendental de espíritos que supostamente são do bem , pessoas pretendem  ensinam o amar,  que falam de Cristo, do amor ao proximo e ao mesmo tempo as vejo ali discursando e deboxando de quem é diferente , de quem se agita por demanda sentimental. Como pode, pessoas com curso superiror, especializadas  e graduadas para lidar e entender o ser humano, e ao mesmo tempo vc vê que no mesmo grupo são as mais intolerantes ,  mais narcisistas, mais Julgadoras e preconceituosas , como pode?  Quanta contradição.  Então o conhecimento é todo teórico?  Elas não aprenderam nada alem de usar isso para usurpar a generosidade ,expressividade alheia e manipular o ambiente?  Que coisa hem?Ainda bem que este grupo não representa a maioria ,no mesmo microcosmos  exitem outras pessoas bem diferentes , que sentem, percebem e respeitam o outro e a diferença, pessoas ao qual o conhecimento aperfeiçoou sua humanidade, porque ela ja estava ali no proposito , naquilo que as motiva,no primeiro motor.  Percebi quem mesmo sendo mestrada Doutoradas em humanas ,quando uma pessoa tem seu registro existencial no mito, no fantástico, nada demove sua tendencia de ficar cega, pois esta foi a vivência de afeto que a fundou no real.  Não ha nada de errado nisso, o que lastimo é que justamente por isso elas só tem auto critica para fora e nada para si mesmas, então contaminam os mais ingênuos.  Como diz meu mestre, a medida que você evolui internamente seus pensamentos evoluem e a vizinhas destes pensamantos muda completamente e não adianta se forçar a ficar na antiga vizinhança simplesmente não da.  Que bom que é pssivel ter uma boa vizinhança no mesmo ambiente de outras vizinhanças ,claro isso só é possovel pela transitóriedade . Uma verdade, que cedo ou tarde temos que nos defrontar é a de que onde vivem as pessoas também vivem suas mazelas e limitações ,poucos conseguem transcender,  os que conseguem são aqueles que nos fazem acreditar que na frente ha um continente, onde é possível desembarcar sua pureza sua essência e que por mais que nos ocupemos de criar realidades a solidão é uma probabilidade ,porém  nela é provável    a expansão de seus domínios, saborear a luz da introspecção e esta inestimavel vontade de viver.   A sabedoria vai trazendo recursos para que a simplicidade se acomode em meio a todo tormento e todo o alivio que a percepção nos propõe. A coerência é um bom caminho a  seguir, mas para isso é necessário que olhemos no espelho para ver a  natureza do que somos com os valores que possuímos e as diretrizes de nossas razões.

19/09/2011


          Interessante esta provocação de pensarmos na abstração como um lugar comum,que "surge" por desígnios naturais e que não possui autenticidade ja que surge da intuição e a intuição é própria da espécie ,no entanto serve como uma tabua de acesso ao outro um caminho de registro através da identificação e nessa identificação como o outro o ser passa ter compaixão ja que no outro ve a si mesmo,nestes princípios chegamos não ao super homem mas aquele homem que existe somente apartir de si ,
 o amor pela humanidade pode ser entendido em tal pressuposto como sendo completamente narcísico.."o que amo no o outro é justamente aquilo de meu ele possui".
          Sim ja senti compaixão exatamente esta mencionada por Schopenhauer e me ressinto de não ter outra via de amor ao próximo que nao esta de espelho.. porque quando não ha espelhos o que sobra para humanidade? a incompreensão?o descaso?a guerra?
(imagem de Luis Royo)



04/09/2011

Independência ou morte! - Viver Bem - Gazeta do Povo

Independência ou morte! - Viver Bem - Gazeta do Povo:

'via Blog this'

Independência ou morte!

O desconforto com alguma questão da vida pede atitude. É preciso enfrentar o medo e tomar coragem para soltar seu grito
Publicado em 04/09/2011 | ÉRIKA BUSANI, ERIKAB@GAZETADOPOVO.COM.BR
O emprego que você não aguenta mais. A profissão que já não satisfaz. O relacionamento que sufoca. Um vício. Chega uma hora em que é preciso empunhar a espada da coragem às margens do seu Ipiranga particular e soltar o grito de independência.
Embora a vida seja um contínuo pro­­cesso de mudanças, às vezes é preciso romper com mais intensidade e tomar um novo rumo. “O que motiva o grito de independência é uma necessidade interna, o processo de saturação. Por trás dele, há determinação. E uma meta ou um sonho”, afirma o psicólogo, psiquiatra e hipnoterapeuta Rui Fernando Cruz Sampaio. Que lembra também: “Um sonho sem ação é ilusão”.

Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo
Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo / Letícia, que antes era Márcia: feliz com a nova vida e a “nova” identidadeAmpliar imagem
Letícia, que antes era Márcia: feliz com a nova vida e a “nova” identidade
Não que você tenha de sair correndo do escritório ssar muito, por cerca de dois anos. O projeto finalmente saiu do papel há dez meses, quando Ângelo e a mulher, a administradora Ângela Wolff, 28 anos, doaram os móveis do apartamento para abrigar a loja virtual, na qual o designer pôde unir seus talentos, desta vez em benefício próprio.

Ponto de partida
A análise é ainda mais necessária se você não sabe a fonte de seu desconforto. Pode não ser, por exemplo, o trabalho em si, mas as relações dentro dele. “As situações da sua vida devem estar de acordo com aquilo que você sabe de você. Se conseguir ter essa coerência e transitar com seus próprios recursos neste mundo, melhor”, afirma a filósofa Alba Regina Bonotto. “Você precisa ser fiel a você mesmo; se não for, a quem vai ser? O autoengano é a pior atitude que o ser humano toma contra si mesmo”, completa Janete. “Todas as respostas estão no nosso inconsciente”, reforça Sampaio.
Essa coerência muitas vezes envolve dor. Mais uma vez, é preciso coragem. “As pessoas têm muito medo do sofrimento. Mas quem não sente tristeza, não sente alegria. A emoção fica congelada”, diz a psicoterapeuta. “A mudança é um processo e é preciso ter paciência para enfrentar os percalços e recaídas”, completa.

Letícia levou três anos para finalmente decidir e tomar uma atitude. Mas nem todo mundo consegue dar seu grito de independência. Quem não se decide se coloca em situações que levam à mudança, mas que vem de fora. É o caso de quem não está feliz no casamento e passa a não se cuidar, não dar atenção ao parceiro. Ou, insatisfeito no trabalho, boicota: não cumpre prazos, chega atrasado, é displicente. “Se você não fizer nada, o movimento da vida faz por você”, afirma a filósofa Alba.


Interatividade
O que você já mudou ou gostaria de mudar na sua vida para ser mais feliz?

04/08/2011

Fato Ou Versão

 Senhores, gosto da ideia de movimento em Heráclito, onde "tudo flui", "tudo se move", exceto o próprio movimento.A "coisa em si" portanto existe porque eu a percebo , mesmo que não a percebesse e apenas criasse a ideia da coisa, ela passaria a existir de igual forma porque eu a representei na esfera do pensamento.Com isso a narrativa sempre está um instante depois do fenômeno e o mesmo é percebido de fora pra dentro,a menos que ele aconteça a nível de pensamento , suas vias são suspeitas e ativam nossos registros , por mais exata que seja sempre sera outra coisa , se não for será o próprio fenômeno e quando ele chega ao nosso conhecimento ela passa a ser entendida pelo nossa capacidade "a priori" e por nossos registros empíricos ou seja: - o fenômeno - o informante - receptor vão passando a bola mas a passagem nunca è exatamente igual ,depende de competências e a menos que sejamos capazes de simbiose com o fato com a " coisa em si"o máximo que nos aproximaremos será por atrito.O que faz pensar que ela entra como fato e sai como versão e a verdade é simbiose o resto é movimento.. (Alba)comentando no Grupo Filosofia & Negócios do LinkeIn. 

05/06/2011



..Sobre o artigo no blogMuito interessante, isso que eu chamo de colocar a "mão" na coisa. Existe um mundo sem retoques , um mundo cara lava é dele que temos que cuidar. Concordo que as meninas na maioria não lerão, somos nós adultos e formadores e fundantes da juventude que temos que ler, em nós mesmos que está a praga e a possibilidade de movimento, principalmente as mães atuantes na deturpação da própria atitude sexual se tornando objeto com vendas e falácias e solidão.

bjs
Alba


Leia mais: http://mgcaixapreta.blogspot.com/2010/05/meninas-faceis.html#ixzz1ORKjX4ev


03/06/2011

Ainda melhor aos 40 - Viver Bem - Gazeta do Povo

Ainda melhor aos 40 - Viver Bem - Gazeta do Povo:
"Viver mais, no entanto, não é suficiente. O que realmente importa é viver “melhor”. E as mulheres de 40 anos de hoje em nada lembram as avós do passado. São bonitas, seguras, ativas, com a autoestima elevada. “Antigamente elas co­­meçavam a se despedir da vida sexual e social, a inaugurar a velhice. Hoje elas são bem mais felizes que há duas décadas”, compara a psicóloga Alba Regina Bonotto, ela mesma um exemplo dessa geração de mulheres que se redescobre. Aos 43 anos, está terminando a faculdade de Filosofia e faz pós-graduação em Filosofia Clínica".

"Em meio à crise da meia idade – sim, ela ainda existe – essas mulheres poderosas olham para a frente. E não têm medo de buscar ajuda. “A mulher é uma grande experimentadora da vida. Tem mais avidez, é curiosa, desejosa pela beleza, pela natureza, sabores e sensações”, lembra a psicóloga Alba."

18/04/2011

Aqui e Agora

Temos nos referendos sobre o planeta , uma argumentação lógica com suposições naturalistas, é engraçado dizer ao homem que ele deve procriar sendo que ele procria sem dever, muito mais do que deveria. Ao dizer isso relevo a condição humana de pensante,transformador e educador onde o procriar deveria também estar associado ao criar ao legar um historia um saber uma evolução, o que na pratica não funciona.Hoje muito mais do que dizer ao humano que deve pensar nas gerações futuras ,cabe fazer com que perceba o valor da vida aqui e agora, a vida não se restringe a  raça humana mas a tudo que existe neste planeta, ela é rara no cosmus e se aqui e agora o homem se voltar para esta verdade, com zelo e cuidado ,não haverá porque se preocupar com gerações futuras pois tudo na terra é vida. A valência inteligência é apenas um detalhe de auto-preservação não é significado de Entidade Superiror,somos a unica espécie que precisa entender que é preciso preserar a vida e este é o pricipio da utilidade do cerebro coginitivo,os animais não precisam entender isso porque simplesmente o fazem.

29/03/2011

Fruto Proibido

Resposta 1-
Penso que fruto proibido, na visão visão iluminista ,é visto como o fruto do conhecimento, ou seja se tu provares do conhecimento tu não mais tera direito ao paraiso, o paraiso dentro desta concepção trata-se do mundo fugido escapista de si em simesmo.Quando tudo esta nas mãos de Deus eu tenho minhas mãos lavadas e não participo em nada alem do que a alienação.



Resposta 2-
Dosar,idealizar,Santificar bons pilares para manipulação

Querido Fernando, na verdade não é esta a minha visão sobre o pecado original, mas como entendo a visão iluminista ,como mencionei. A minha visão é mais terrivel e dura, e eu trocaria a palavra alienação por perversão da realidade,exclusão e negação da existência ou seja :"eu" sei que "tu" como ser igual a "mim" tem capacidade , tendendencia a encobrir o incognocivel com algo que te de alento que te de forçã , então "eu" ser potencialmente doentiu uso este saber para construir um mundo onde "tu" fica a merce das "minhas" interpretações... eu perverto algo genuino em algo belico.É ASSIM que vejo a doutrina religiosa, como uma corrente de pessoas que viveram a usar sua inteligencia humana para criar grilhões eficientes na dominação e no controle do pontecial mais puro do ser humano , que é esse de ser capaz de verdadeiramente crer.Acho linda essa parte da natureza humana, entendo que é ela que viabiliza o amor, no entanto ela é a fenda ou o escape para perversidade. A meu ver Não ha nada de errado em crer em um ser bom e superior ,ha muita beleza nesta busca do sublime , o mal esta na dominação disso , seja dominação cristã ou não.




21/01/2011

MEGERA DOMADA de William Shakespeare

    Com mais de 34 personagens, trata-se de uma historia clássica e atemporal sobre posicionamento feminino e masculino. É impressionante, a habilidade de Shakespeare em retratar da alma feminina com toda sua paradoxalidade.
     As mulheres de shackespeare mesmo as mais “sem sal”,são  salgadas ,meigas, ferozes ,azedas,maquiavélicas, manipuladoras, vivas, vivas! A Megera Domada, quem é ela? Como é ela? Porque ela é assim? Sem dúvida um mulher forte, inquieta, furiosa, cheia de vida e indignada com a tolice e a imbecilidade ao seu redor. Nem um pouco incomoda por ser chamada de megera, diabo ou coisas do gênero, ao contrario parece fazer questão que assim a tenham, como um ritual de respeito e reconhecimento a sua existência.
    Existe aquém de sua imagem. Uma Criatura sem papas na língua, que não poupa ninguém de sua acidez. Fera, que se rende diante da força obstinada de seu homem que faz um verdadeiro “circo” para domar a megera. Ela é Catarina a filha mais velha de Batista, que está “encalhada”, apesar de bela e jovem, nem um homem suporta seu gênio, nem mesmo o dote de seu pai consegue ser maior do que o pavor que ela causa a todos.
    Batista ao perceber, que sua filha mais nova Bianca ao contrario da irmã, tem uma legião de pretendentes, ardorosos e apaixonados,capazes de mover o mundo por seu afeto,  promete que só irá dispor a mão de Bianca depois que um cavalheiro tomar a mão de Catariana.
    Alvoroço geral, quem seria doido para topar a danação eterna, com uma mulher temperamental destas? Trama resolvida com a Chegada de Petruquio a cidade. Herdeiro milhonario, sua vida gira em torno  da grande meta : “ aumentar cada vez mais sua fortuna”.Petruquio esta em busca de um casamento milionário, uma estratégia perfeita para imortalidade de sua herança .
    Uma fortuna se acomoda mais sob outra. Solução do impasse aos braços de Bianca, seus amigos logo falam da megera e seu dote, sem engana-lo , ao contrario pintando o Diabo com nome de Catarina. Petruquio fica ávido e ansioso pelo casamento, mais ainda para conhecer a megera. Bem avisado e como o grande estrategista que é dispõem de uma arsenal de truques para todas as cartadas de seus invetimentos, Petruquio antes mesmo de conhecê-la prepara um plano para domá-la o que põem em pratica desde a primeira fala dos dois:  Grita gesticulo sobre sua beleza encantadora, ignora os ataques e as ofensas, fala como se cada palavra  que escuta fosse uma carícia, Ignorando de forma divertida os desejos e as vontades da mesma usando a proteção e o amor como desculpa a todos seus atos, que aos poucos vão cercando a megera de tal forma que ela esquece de ser megera e começa a se preocupar em acalmar a forma forte e desorientada que Petruquio usa para manifestar sua estima.
    Casa-se com Petruquio jurando não ceder enquanto o mesmo não lhe agradar, no entanto seu agora marido não da trégua, a deixa sem comer dois dias , usando a  a desculpa que todas as comidas estão contaminadas, não permite que ela durma esbravejando com os criados ,ordenandos  severamente a  cuidarem melhor de tudo pra o conforto de  sua "Cata", assim que a chama desde o primeiro instante; briga com o costureiro, dizendo que as roupas que ela escolheu não estão a contento. Petruquio consegue em tudo ter seu humor infinitamente mais temperamental do que o de Cata, isso parece servir de espelho para a mesma que enfim vê o exagero de seu comportamento e a carência do seu esposo. Cede honestamente , para espanto de todos, entregando-se aos desejos e vontades e ordens do seu marido.
    No final ainda passa um sermão em suas amigas  , defendendo com ardor, aferino sobre o quanto uma mulher deve ser grata e servil ao esposo que arrisca a vida para o conforto das mesmas.Ao consideramos a época em que a peça foi concebida e o perfil das três mulheres envolvidas na trama , apesar do final aparente de submissão, concluímos que são personalidades vivas e ativas, que provocam todo movimento da historia.
    A maturação sexual de Shakespeare, coloca no “chinelo” a maioria dos homens do século 20. A mulher se submete sim, porem trata-se de uma escolha, a visão que teve foi de libertar-se de sua própria “megerisse”, uma vez que seu homem provou que será um grande e árduo tirando se o mundo ao redor de ambos não funcionar como deve para a felicidade e paz conjugal,  sua esposa pode guardar a energia para o amor.
    Um princípio básico, quando um é ausente o outro invade, quando um é fraco o outro explode, quando um é quente o outro é brisa. Ser exigente, ter personalidade, não se render à imbecilidade,  coloca o ser humano em um “Belvedere” sobre o mundo, porem traz dores solitárias.Quando encontramos alguém para dividir a força este lugar este "Belvedere se torna o oásis  para nossa alma, a validação de todos os esforços.Então não há submissão e tiranias e sim bons acordos par existir seguir e construir.
Resumo critico por Alba Regina Bonotto

Mais sobre: A Megera Domada 

Lady Macbeth

Macbeth denota a historia de um homem e sua fragilidade existencial. Guerreiro ao retornar da batalha vitoriosa, na qual defendeu seu rei e o mundo que vive, de forma audaz e implacável. Considerado o mais excepcional e eficiente Herói . Paradoxalmente, ao retornar para seu lar e seu rei, Macbeth acompanhado de seu amigo e guerreiro Bonquo, tem a visão das três bruxas irmãs, que lhe prenunciam um futuro como rei (como não ser Rei depois de tantas batalhas vencidas tantas mortes?... precisaria ele realmente ter esta visão? Bonquo como testemunha da sua ousadia e capacidade de destruição e salvação, poderia ver algo diferente?). A visão faz-se execução quando é compartilhada com Lady Macbeth. A união destas duas forças, a do guerreiro sanguinário que vive uma alucinação e a da apaixonada e fria Lady Macbeth,completamente refrataria ao seu heroi (ela pauta sua vida muito mais no poder que pensa exercer sobre seu marido OU melhor , pauta sua vida pela oportunidade que em fim tem de se fazer útil ao seu Herói , homem ,Deus,ao desejo de ser Rainha),abre os portais ao trono. Depois dos crimes contra o Rei, Macbeth ROMPE definitivamente com a realidade, não tendo sua Senhora poder algum sobre o que se dará, nem mesmos seus reforços e convites à sanidade, têm ressonância nos delírios de perseguiçao e grandeza de Macbeth. A mente adesiva da Lady Macbeth fica sem alimento, pois Macbeth, não mais compartilha com ela seus crimes, deixando-a na solidão e na sua insignificância, o suicídio por fim elucida a sua desde sempre não existência. Macbeth continua tentando afastar todos, que sua mente alucinada possa prever como seu denunciador ou aquele que o irá afastar do trono, travando assim uma trilha de assassinatos chocantes, matando seus amigos e descendentes, rumando a precipício da solidão e da loucura. Essa trilha segue até que as florestas "decem" ou porque não dizer, até que alguém manipule a ilusão de realidade. Na pratica o herói assassino, não se deixa impedir por sua teórica crise de consciência e continua a executar seus crimes,morre nesta fronteira da mente  . Macbeth aspira ao titulo de Rei, porque na sua fragilidade nada se compara ao Deus que esta se tornando sendo um mendigo em relação a vida.